ico face topo    ico youtube topo    ico twitter topo    ico instagram topo    ico snap topo

Experiências no exterior são extremamente relevantes para a formação acadêmica, principalmente quando se trata do Curso de Relações Internacionais. Por isso, o UNICURITIBA incentiva seus alunos a buscarem esse conhecimento, seja por meio dos convênios oferecidos pela Instituição ou outros recursos. Esse foi o caso do Gabriel Dotta, estudante do 8º Período de Relações Internacionais, selecionado para o Global Korea Scholarship for African and Latin American Undergraduate Students.

O programa é oferecido pelo governo coreano para fomentar o desenvolvimento em países menos avançados, por meio da educação. São convidados estudantes da África e da América Latina para passarem um período no país estudando questões consideradas pertinentes ao crescimento e evolução de seus países. Em 2017, um dos eixos considerados prioritários foi o das Relações Internacionais e Ciência Política.

Gabriel ficou entre os 20 estudantes selecionados da América Latina e conta que durantes as cinco semanas de duração do programa, tinha aulas de segunda a sexta-feira, das 9 às 18 horas, que tratavam de administração pública, cooperação internacional e logística, tendo como foco a experiência coreana. “Além das aulas, elaboramos uma pesquisa e, ao final do programa, apresentamos em um evento do Ministério da Educação da Coreia. A avaliação foi realizada por seus representantes”, detalha.

Ele também realizou diversas visitas técnicas a órgãos públicos, organizações internacionais sediadas no país, empresas de peso, como a Samsung, e pontos turísticos. “Foram cinco semanas que marcaram uma experiência inestimável. Pessoalmente, tive a sorte de desenvolver fortes laços tanto com os coreanos, que me ensinaram sobre a realidade do país, quanto com os latinos. Academicamente, fui introduzido a temáticas e perspectivas que já visivelmente influenciam minhas pesquisas”, expressa.

Aos que desejam realizar intercâmbios, Gabriel deixa duas dicas: “primeiro, acompanhar as embaixadas dos países nas redes sociais, em que normalmente divulgam os processos seletivos de seus governos; segundo, empenhar-se nas avaliações na faculdade, pois o chamado GPA, média ponderada por créditos de todas as notas da graduação, é o primeiro, senão o principal, critério de seleção para programas como esse.”